sexta-feira, 1 de abril de 2011

Estimule o seu bebê ainda na gestação


Os bebês ainda no período gestacional são conscientes do que se passa à sua volta. Existem diferentes formas de estimular os seus sentidos que estão em desenvolvimento.
O cérebro do bebê já começa a formar conexões, os bebês são capazes de aprender ainda no útero da mamãe. Quanto mais estímulos, mais sinapses e maior a capacidade de aprendizado. Para que as sinapses se formem é preciso que o bebê seja exposto a estímulos externos.
Calma, mas não precisa sair correndo para comprar livros, DVD e CDs, com a intenção de transformar o seu bebê em gênio, essa não é a intenção. Conversar com o bebê é um importante estímulo, pois também fortifica o vínculo antes mesmo do nascimento.
Quando o bebê começa a responder aos estímulos externos, até mesmo as mamães mais céticas percebem que não é somente um bebê dentro da barriga, é uma vida gerada com amor e com dependência.
Os bebês que recebem estímulos na gestação tendem a serem crianças mais saudáveis, dormem melhor, se alimentam com mais facilidade e são mais sociáveis.
A mamãe que volta a trabalhar e precisa se separar um período do dia do seu bebê, a tendência é o bebê aceitar com mais facilidade essa distancia, porque o vínculo já foi criado durante a gestação.

A idéia de que o feto faz mais dentro da barriga do que apenas crescer e tomar forma, é mais velha que andar pra frente. Os egípcios já pensavam na vida intra-uterina, filósofos da Antigüidade falavam em inteligência fetal e é de Leonardo Da Vinci a frase “a mesma alma governa dois corpos”, sugerindo que o que a mãe faz e sente influencia na formação do bebê. Pesquisas sobre psiquismo fetal demonstram que as habilidades apresentadas pelos recém-nascidos começam a se desenvolver muito antes de nascerem.

Revista Pais e Filhos
Emoções

O bebê recebe todas as emoções e sentimentos da mamãe. Ele percebe quando está agitada, calma, nervosa, ansiosa, feliz. E mesmo que a mamãe finja que está tudo bem, o bebê sabe que não é assim.

Diálogo interno – Reserve um período de seu dia apenas para sentir o seu bebê. Relaxe em um local agradável, passe a mão em sua barriga, visualize o bebê, comunique o seu pensamento e amor por ele. O bebê sentirá através de estímulos hormonais o seu carinho.

Li em algum lugar que a atriz Nívea Stelmann quando estava grávida, atuava como uma vilã em uma novela, com medo de passar a tensão para o bebê, ela conversava com ele e explicava que era o trabalho da mamãe e tudo era de mentirinha.
Com certeza o bebê captou a emoção real.

Audição

O bebê começa a ouvir os sons externos a partir da 20 (vigésima) semana de gestação. Antes ouvia somente os sons internos como os batimentos cardíacos.

Converse bastante com o seu bebê, ele adora ouvir a voz da mamãe. Conte histórias, descreve os lugares e o papai também deve participar desses momentos. O bebê reconhecerá também a voz do papai.

Coloque músicas para o seu bebê, estudos comprovam que a música que era ouvida pelo bebê na gestação, o acalma, especialmente após os 6 meses de vida, pois é quando a memória implícita está formada.

Sem entrar na loucura de criar gênios, sempre é curioso acompanhar os estudos científicos. Experiência numa maternidade inglesa revelou que fetos de 5 meses acalmavam-se ao executar Vivaldi e Mozart e ficavam agitados com Beethoven, Brahms e rock. A prova de que gosto se adquire é que a esposa de um roqueiro tentou colocar músicas clássicas logo depois que o bebê nasceu, mas sua garotinha só dormia com as músicas do pai, que ela ouviu durante toda a sua vida intra-uterina. Ou seja: nem todo feto curte os clássicos.

Revista Pais e Filhos
Como sempre digo, devemos usar o bom senso e ter a consciência que se trata de um ser humano e cada um tem suas particularidades, um não é igual ao outro. Reforço aqui para evitar comparações e cartilhas.

Tato
A partir da 10 (décima) semana de gestação, o bebê já possui todos os órgãos. São criados 250 mil neurônios por minuto. O feto tem 3 centímetros. São notadas sensações de frio e calor. Neste período também ele já está levantando suas mãos até o rosto e chupando seu dedinho.

Ser Pedagogo

Ser Pedagogo não é apenas ser Professora, Mestre, Tia, Coordenadora, Supervisora, Orientadora, Dona de escola.
É mais do que isso.
É ser Responsável.
Ser Pedagogo é ter coragem de enfrentar uma sociedade deturpada, equivocada sem valores morais nem princípios.
Ser Pedagogo é ser valente, pois sabemos das dificuldades que temos em nossa profissão em nosso dia a dia.
Ser Pedagogo é saber conhecer seu caminho, sua meta, e saber atingir seus objetivos.
Ser Pedagogo é saber lidar com o diferente, sem preconceitos, sem distinção de cor, raça, sexo ou religião.
Ser Pedagogo é ter uma responsabilidade muito grande
nas mãos.
Talvez até mesmo o futuro...
Nas mãos de um Pedagogo concentra- se o futuro de muitos médicos, dentistas, farmacêuticos, engenheiros, advogados, jornalistas, publicitários ou qualquer outra profissão...
Ser Pedagogo é ser responsável pela vida, pelo caminho de cada um destes profissionais que hoje na faculdade e na sociedade nem se quer lembram que um dia passaram pelas mãos de um Pedagogo.
Ser Pedagogo é ser mais que profissional, é ser alguém que acredita na sociedade, no mundo, na vida.
Ser Pedagogo não é fácil, requer dedicação, confiança e perseverança.
Hoje em dia ser Pedagogo em uma sociedade tão competitiva e consumista não torna-se uma profissão muito atraente, e realmente não é.
Pois os valores, as crenças, os princípios, os desejos estão aquém do intelecto humano.
Hoje a sociedade globalizada está muito voltada para a vida materialista.
As pessoas perderam- se no caminho da dignidade e optaram pelo atalho da competitividade, é triste pensar assim, muito triste pois este é o mundo dos nossos filhos, crianças que irão crescer e tornar- se adultos.
Adultos em um mundo muito poluído de idéias e sentimentos sem razão.
Adultos que não sabem o que realmente são.
Alienados, com interesses voltados apenas pelo Ter e não pelo Ser.

Ser Pedagogo é ter a missão de mudar não uma Educação retorcida, mas ser capaz de transformar a sociedade que ainda está por vir.
Pode ser ideologia pensar assim, mas como Pedagogos temos a capacidade de plantar hoje nesta sociedade tão carente de valores, sementes que um dia irão florescer.
E quem sabe essa mesma sociedade que hoje é tão infértil possa colher os frutos que só a Pedagogia pode dar.