domingo, 13 de fevereiro de 2011

Festa com o tema da Barbie, super de menina!

Para meninas pequenas e "grandinhas" também.

Adorei essa decoração e amo o tema!!! Podem falar o que for, mas acho a Barbie linda!!! :-)



Lembrancinhas e arranjos da mesa
Convites
Eu adoro!!!!

Créditos - http://blowoutparty.com/

Para JÁ com essa briga!

Crianças brigam muito, não?

 Com os irmãos, com os amigos na escola, com os coleguinhas que visitam...

 É um tal de: - É meu, é meu!

 - Você me xingou disso.

 - Você me apertou.

 Sempre é o outro o culpado, rsrs.

 Eu passo por situações assim todos os dias, na maioria das vezes a briga é por atenção.

 Gritar, colocar as crianças de castigo, parar com a brincadeira, separar, etc. não dá jeito.

 Com irmãos, amiguinhos, filhos de amigos que vão a sua casa, ao brigarem, esses métodos descritos acima, podem acreditar, também não resolve.

 Até os 5 ou 6 anos de idade, os pequenos têm dificuldades tanto para controlar seus impulsos quando se sentem injustiçados, frustrados ou raivosos como para verbalizar idéias e sentimentos.

 Então choram, gritam, xingam e batem.

 A intervenção do adulto é fundamental, deve ser o mediador descrevendo a situação sem tomar partido.

 
Algumas dicas e conselhos:

 
  • Intervenção precoce. Não espere que a criança comece a mostrar comportamento mais agressivo. Intervenha logo que observar a criança se alterando.
  • Se for um bebê que está batendo, recebe as pessoas com um pequeno tapinha, diga-lhe: “Não bata. Dói quando você bate”.
  • Não bata na criança se ela está batendo em outras. Não grite. Não se altere. Isso mostra a criança que você tem o mesmo comportamento e será permitido.
  • Não ignore ou menosprezar as brigas entre irmãos, coleguinhas, primos, visitinhas, etc.

 
Um exemplo de desentendimento no parquinho:

 
Uma menina está chorando porque caiu areia em seus olhos e diz que foi o amigo que jogou de areia nela (de propósito).
Quando o adulto pede explicações às crianças, elas começam a chorar (de maneira mais forte, soluçando - porém daquele jeitinho para ganhar o adulto, sabe?), quando isso ocorrer diga:
- Se vocês falarem ao mesmo tempo eu não vou escutar, não estou entendendo, para de chorar e com calma me explica.
As crianças vão explicar da maneira delas e logo você poderá interferir.
- Ele disse que foi sem querer, não quis jogar areia em seus olhos. Agora você se acalma, vamos lavar o rostinho e quando voltar podemos conversar sobre isso.
Peça para o menino pedir desculpas.

 
Outro exemplo:

 
Ensine-os que a agressão não é a forma correta para conseguir o que se quer.

 
Dois meninos, um de 6 e outro de 4 anos de idade. O maior está jogando bola até que o menor aparece para tirá-la. E ali iniciam-se as brigas e gritos. O pequeno grita e esperneia porque quer a bola. Se intervirmos, exigindo que o maior conceda a bola ao mais pequeno, estaremos reforçando de uma maneira negativa, que o pequeno sempre esperneie e grite para conseguir o que se quer.

 
Não se trata em ambos os casos de ignorar a criança. É preciso auxiliá-la a construir equilíbrio emocional e sua capacidade de enfrentamento.

 
Os pais jamais devem brigar entre si ou com os outros pais, por causa da briga dos filhos. Logo estarão (de bem) e os adultos em uma saia justa bem sem graça.

 

Ser Pedagogo

Ser Pedagogo não é apenas ser Professora, Mestre, Tia, Coordenadora, Supervisora, Orientadora, Dona de escola.
É mais do que isso.
É ser Responsável.
Ser Pedagogo é ter coragem de enfrentar uma sociedade deturpada, equivocada sem valores morais nem princípios.
Ser Pedagogo é ser valente, pois sabemos das dificuldades que temos em nossa profissão em nosso dia a dia.
Ser Pedagogo é saber conhecer seu caminho, sua meta, e saber atingir seus objetivos.
Ser Pedagogo é saber lidar com o diferente, sem preconceitos, sem distinção de cor, raça, sexo ou religião.
Ser Pedagogo é ter uma responsabilidade muito grande
nas mãos.
Talvez até mesmo o futuro...
Nas mãos de um Pedagogo concentra- se o futuro de muitos médicos, dentistas, farmacêuticos, engenheiros, advogados, jornalistas, publicitários ou qualquer outra profissão...
Ser Pedagogo é ser responsável pela vida, pelo caminho de cada um destes profissionais que hoje na faculdade e na sociedade nem se quer lembram que um dia passaram pelas mãos de um Pedagogo.
Ser Pedagogo é ser mais que profissional, é ser alguém que acredita na sociedade, no mundo, na vida.
Ser Pedagogo não é fácil, requer dedicação, confiança e perseverança.
Hoje em dia ser Pedagogo em uma sociedade tão competitiva e consumista não torna-se uma profissão muito atraente, e realmente não é.
Pois os valores, as crenças, os princípios, os desejos estão aquém do intelecto humano.
Hoje a sociedade globalizada está muito voltada para a vida materialista.
As pessoas perderam- se no caminho da dignidade e optaram pelo atalho da competitividade, é triste pensar assim, muito triste pois este é o mundo dos nossos filhos, crianças que irão crescer e tornar- se adultos.
Adultos em um mundo muito poluído de idéias e sentimentos sem razão.
Adultos que não sabem o que realmente são.
Alienados, com interesses voltados apenas pelo Ter e não pelo Ser.

Ser Pedagogo é ter a missão de mudar não uma Educação retorcida, mas ser capaz de transformar a sociedade que ainda está por vir.
Pode ser ideologia pensar assim, mas como Pedagogos temos a capacidade de plantar hoje nesta sociedade tão carente de valores, sementes que um dia irão florescer.
E quem sabe essa mesma sociedade que hoje é tão infértil possa colher os frutos que só a Pedagogia pode dar.