segunda-feira, 31 de janeiro de 2011

Troque 01 Parlamentar Por 344 Professores

"No futebol, o Brasil ficou entre os 8 melhores do mundo e todos estão tristes.
Na educação é o 85º e ninguém reclama..."

Eu apoio essa troca
TROQUE 01 PARLAMENTAR POR 344 PROFESSORES
O salário de 344 professores que ensinam = ao de 1 parlamentar que rouba

Essa é uma campanha que vale a pena!
Repasso com solidária revolta!

Prezado amigo!
Sou professor de Física, de ensino médio de uma escola pública em uma cidade do interior da Bahia e gostaria de expor a você o meu salário bruto mensal: R$650,00
Eu fico com vergonha até de dizer, mas meu salário é R$650,00. Isso mesmo! E olha que eu ganho mais que outros colegas de profissão que não possuem um curso superior como eu e recebem minguados R$440,00. Será que alguém acha que, com um salário assim, a rede de ensino poderá contar com professores competentes e dispostos a ensinar? Não querendo generalizar, pois ainda existem bons professores lecionando, atualmente a regra é essa: O professor faz de conta que dá aula, o aluno faz de conta que aprende, o Governo faz de conta que paga e a escola aprova o aluno mal preparado. Incrível, mas é a pura verdade! Sinceramente, eu leciono porque sou um idealista e atualmente vejo a profissão como um trabalho social. Mas nessa semana, o soco que tomei na boca do estomago do meu idealismo foi duro!
Descobri que um parlamentar brasileiro custa para o país R$10,2 milhões por ano... São os parlamentares mais caros do mundo. O minuto trabalhado aqui custa ao contribuinte R$11.545.
Na Itália, são gastos com parlamentares R$3,9 milhões, na França, pouco mais de R$2,8 milhões, na Espanha, cada parlamentar custa por ano R$850 mil e na vizinha Argentina R$1,3 milhões.
Trocando em miúdos, um parlamentar custa ao país, por baixo, 688 professores com curso superior !
Diante dos fatos, gostaria muito, amigo, que você divulgasse minha campanha, na qual o lema será:

'TROQUE UM PARLAMENTAR POR 344 PROFESSORES'
Repassar esta mensagem é uma obrigação, é sinal de patriotismo, pois a vergonha que atualmente impera em nossa política está desmotivando o nosso povo e arruinando o nosso querido Brasil.
É o mínimo que nós, patriotas, podemos fazer.

Educação Inclusiva

A Secretaria de Educação Especial (Seesp) desenvolve programas, projetos e ações a fim de implementar no país a Política Nacional de Educação Especial. A partir da nova política, os alunos considerados público-alvo da educação especial são aqueles com deficiência, transtornos globais de desenvolvimento e com altas habilidades/superdotação.
Para apoiar os sistemas de ensino, a secretaria desenvolve o Programas de Formação Continuada de Professores na Educação Especial - presencialmente e a distância -, Programa de Implantação de Salas de Recursos Multifuncionais, Programa Escola Acessível (adequação de prédios escolares para a acessibilidade), Programa BPC na Escola e Programa Educação Inclusiva: Direito à Diversidade, que forma gestores e educadores para o desenvolvimento de sistemas educacionais inclusivos.
Portal MEC



A chamada Educação Inclusiva teve início nos Estados Unidos através da Lei Pública 94.142, de 1975 e, atualmente, já se encontra na sua segunda década de implementação.

Por educação inclusiva entende-se o processo de inclusão de alunos com deficiência na escola regular.
Esse assunto é bastante abrangente e divide opiniões. A maioria das pessoas falam que é lindo incluir alunos portadores de necessidades especiais na rede regular de ensino, porém esse "lindo" precisa de um olhar cuidadoso em diversos aspectos.
Não consigo ver problemas na relação dos alunos, pois a escola ao receber um aluno com necessidades especiais está incentivando a Colaboração e cooperação - há um privilegiamento das relações sociais entre todos os participantes da escola.
Eu digo que quem ganha são os alunos, pois aprendem a conviver e respeitar as diferenças.
O atendimento educacional especializado deve integrar a proposta pedagógica da escola, envolver a participação da família e ser realizado em articulação com as demais políticas públicas. Conforme define a LDB, trata-se de uma modalidade de educação escolar, voltada para a formação do individuo, com vista ao exercício da cidadania.

A chamada Educação Inclusiva teve início nos Estados Unidos através da Lei Pública 94.142, de 1975 e, atualmente, já se encontra na sua segunda década de implementação.
Por educação inclusiva entende-se o processo de inclusão de alunos com deficiência na escola regular.

Professor - O profissional precisa ser formado e capacitado, não apenas em cursos de extensão e pós graduação, mas capacitado como pessoa, o Profissional precisa ter disponibilidade e ter a plena consciência de seu papel. Para trabalhar com a criança com uma necessidade especial, seja ela qual for físico ou neurológico, o professor tem que se desprender de qualquer preconceito.
É preciso conhecer a criança sem o rótulo de uma doença, entender e aceitar que cada criança tem um ritmo, tendo ela uma necessidade especial ou não.

Escola - A escola tem que ser adaptada para receber alunos com necessidades especiais. Um exemplo que sempre observo nas escolas são as escadas e os corredores, algumas escolas não têm rampas, elevadores e os corredores são estreitos para passagem de cadeira de rodas. Raramente o banheiro é adaptado.
Existem diversos exemplos a ser citados

DECRETO Nº 6.571, DE 17 DE SETEMBRO DE 2008
Clique aqui

Novela Páginas da Vida
Um dia comum em uma sala de aula.

A novela mostrou, também, alguns problemas que a mãe da aluna com síndrome de down teve que enfrentar com a professora, pois a aluna estava sempre realizando atividades diferentes e distantes dos outros alunos da sala. A professora não incluía a aluna nas atividades que eram realizadas com os outros colegas. Isso não é inclusão! Inclusão é que todos os alunos executem as mesmas atividades, não apenas colocar um aluno especial na sala de aula e deixá-lo de lado enquanto os outros alunos participam da aula.
Não achei esse vídeo, uma pena, porque essa cena da novela foi bastante interessante.

Luciana Prado - Olhar que revela poesia

Fiquei apaixonada pelo trabalho da Luciana Prado.


O estilo de fotografia é contemporâneo e fotojornalístico. A Luciana Prado busca revelar a beleza e singularidade de crianças, adultos, grávidas, adolescentes, sempre com o mesmo olhar, captando expressões naturais e espontâneas. Isso é o que eu mais admiro na fotografia.

Imagem vale mais que mais que mil palavras...
Confiram!

































Visitem

http://www.lucianapradofotografia.com/
http://www.lucianapradofotografia.com/blog/

Ser Pedagogo

Ser Pedagogo não é apenas ser Professora, Mestre, Tia, Coordenadora, Supervisora, Orientadora, Dona de escola.
É mais do que isso.
É ser Responsável.
Ser Pedagogo é ter coragem de enfrentar uma sociedade deturpada, equivocada sem valores morais nem princípios.
Ser Pedagogo é ser valente, pois sabemos das dificuldades que temos em nossa profissão em nosso dia a dia.
Ser Pedagogo é saber conhecer seu caminho, sua meta, e saber atingir seus objetivos.
Ser Pedagogo é saber lidar com o diferente, sem preconceitos, sem distinção de cor, raça, sexo ou religião.
Ser Pedagogo é ter uma responsabilidade muito grande
nas mãos.
Talvez até mesmo o futuro...
Nas mãos de um Pedagogo concentra- se o futuro de muitos médicos, dentistas, farmacêuticos, engenheiros, advogados, jornalistas, publicitários ou qualquer outra profissão...
Ser Pedagogo é ser responsável pela vida, pelo caminho de cada um destes profissionais que hoje na faculdade e na sociedade nem se quer lembram que um dia passaram pelas mãos de um Pedagogo.
Ser Pedagogo é ser mais que profissional, é ser alguém que acredita na sociedade, no mundo, na vida.
Ser Pedagogo não é fácil, requer dedicação, confiança e perseverança.
Hoje em dia ser Pedagogo em uma sociedade tão competitiva e consumista não torna-se uma profissão muito atraente, e realmente não é.
Pois os valores, as crenças, os princípios, os desejos estão aquém do intelecto humano.
Hoje a sociedade globalizada está muito voltada para a vida materialista.
As pessoas perderam- se no caminho da dignidade e optaram pelo atalho da competitividade, é triste pensar assim, muito triste pois este é o mundo dos nossos filhos, crianças que irão crescer e tornar- se adultos.
Adultos em um mundo muito poluído de idéias e sentimentos sem razão.
Adultos que não sabem o que realmente são.
Alienados, com interesses voltados apenas pelo Ter e não pelo Ser.

Ser Pedagogo é ter a missão de mudar não uma Educação retorcida, mas ser capaz de transformar a sociedade que ainda está por vir.
Pode ser ideologia pensar assim, mas como Pedagogos temos a capacidade de plantar hoje nesta sociedade tão carente de valores, sementes que um dia irão florescer.
E quem sabe essa mesma sociedade que hoje é tão infértil possa colher os frutos que só a Pedagogia pode dar.