sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

6° post da série - Escola: Mudança de escola - 1° Ano

Escrevi esses dias sobre o Primeiro dia de aula e pude perceber que muitas mães estão com o "friozinho na barriga" por causa do primeiro dia de aula no 1° ano do Ensino Fundamental.
Confesso que também ficaria e entendo que esse assunto deixa os pais de cabelinhos em pé.
O ingresso no Ensino Fundamental, é um processo de transição que fica marcado para o resto da vida do aluno.

As crianças, ao invés de entrar com 7 anos de idade no Ensino Fundamental, entram com 6. Os Estados e municípios tiveram até 2010 para se adaptarem à nova lei.
Mais informações aqui nesse mesmo Blog.
Chegamos em 2011, passou rápido, não?
Não existe mais o “prézinho”, alunos de seis anos não pertencem mais à Educação Infantil, são alunos do Ensino Fundamental.
É um momento de incertezas e questionamentos, pois se trata de uma reformulação na Educação Infantil e no Ensino Fundamental.
Muitas crianças estudaram em escolas de Educação Infantil desde bebês. Sair daquela "escolinha" onde a mamãe conhecia todas as professoras, auxiliares, sabia da rotina diária de seu filho é algo que pode assustar.
Muitas mães me perguntam:
Meu filho vai ficar com crianças maiores?
A professora será atenciosa como a professora da Escola de Educação Infantil.
A minha resposta é:
Sim, não sempre, mas ocorrerão momentos em que seu filho ficará com crianças maiores e poderá jogar bola com eles.
A professora é atenciosa sim, porém seu filho cresceu e a preocupação maior é o conteúdo a ser trabalhado.
Eu nunca dormi na noite que antecedia o primeiro dia de aula, mesmo quando foi o primeiro dia de aula na faculdade. É mudança, não tem jeito, isso assusta.
São inúmeras coisas que passam à cabeça:
 Quem vou encontrar?
 Como são as pessoas?
 E se ninguém gostar de mim?
Vou ficar excluído?
Essa de ficar excluído, ai, persegue todos nós. rs
 Na cabecinha das crianças não é diferente, elas também pensam dessa maneira.
Eu sempre estudei na mesma escola que o meu irmão mais velho, então não tinha tanto medo, ele se enturmava logo e eu ficava na sua aba, mas por pouco tempo, por ser mais nova e menina, ele não me queria tanto por perto.rs

 A família já estava acostumada com a escola anterior, mas a vida muda, nada é para sempre, infelizmente aquela escola que a gente tanto ama, também não é.

 A Professora do jardim não pode ficar com a gente até a faculdade.

 São mudanças que precisam ser trabalhadas para diminuir um pouquinho a ansiedade e os manter as unhas das mamães no lugar. rsrs.

 A rotina da Educação Infantil é mais flexível, porém não menos importante do que a do Ensino Fundamental

Algumas dicas para se adaptar à mudança de escola:
  • Não tenha pressa! Não queira que logo no primeiro dia de aula, seu filho volte cheio de amigos, histórias, convites para festas, amando a professora, etc. Mas, sabia que isso é bem normal acontecer? Principalmente no 1° ano de uma escola nova, pois os outros alunos também estão ingressando agora.
  •  Em questão de livros e material didático, também não tenha pressa, pois alguns alunos podem se acostumar rapidamente com a mudança no volume de livros e no número de disciplinas. Outros podem precisar de um tempo maior para se adaptar.
  •  Como disse em posts anteriores, é preciso preparar a criança alguns dias antes, para o seu primeiro dia de aula.. No Ensino Fundamental também é preciso que haja essa preparação. Seria ótimo se a criança pudesse ter contato com alguns de seus "futuros" colegas.
  •  Não falte à reunião de apresentação da escola, aproveite para conversar com outras mães e pais, momento de conhecê-los. Poderá ser na casa de algumas dessas pessoas que seu filho passará frenquentar.
  •  É uma fase que a criança necessita de muito carinho, mas também é preciso pulso firme, pois tem de aprender a lidar com as mudanças, ter resistência à frustração e isso só acontece se sentir que há alguém caminhando junto, corrigindo seus erros e aplaudindo seus acertos.
  •  As mães se perguntam: ‘será que fiz a coisa certa?’, ‘será que não estão escondendo nada de mim?’.É a adaptação delas também.
  • Os pais não devem encorajar os filhos a enfrentar o medo: seja da mudança de colégio, do professor rigoroso, das provas difíceis ou do colega brigão. A superproteção pode ser tão prejudicial à saúde dos filhos quanto a negligência.
  •  Não deixe que as amizades feitas no Jardim da Infância sejam quebradas porque seu filho mudou de escola, é extremamente benéfico manter amizades, mostre a ele importância da amizade e incentive à rever os antigos amigos. Essa amizade pode durar para sempre.

Não se preocupe, pois cabe ao professor
  • Contribuir para que todas essas novidades (alunos, colegas, ambiente, etc.) se encaminhem de um jeito natural e bem sucedido. Bons resultados nesse processo garantem a adaptação da criança até o final do ano. Toda mudança gera desconforto, então a criança precisa ser bem acolhida.
  • Entender que a ansiedade dos pais é natural, algumas professoras são mães e podem estar passando pelo mesmo momento. Não tenha medo de expor a sua insegurança, cabe a escola entender, ser disponível para tirar qualquer dúvida de maneira clara e objetiva.
Sabia eu também sofro com o Primeiro dia de aula?
Tudo é novo, são inúmeras questões que me vem à cabeça.
Será que meus alunos vão gostar de mim?
Será que serei aprovada pelos pais?

Ai, quanto sofrimento!!!
Pais, alunos e professores.
É de assustar qualquer um.

Eu sugiro à todos que aproveitem esse restinho de férias da melhor maneira possível, não vamos nos apegar nessa ansiedade e nos "SE" ou nos "SERÁ".
É uma ansiedade que no fundo sabemos vai dar tudo certo, mas até chegar esse "deu tudo certo", a unha não vai crescer. rs
Vamos relaxar um pouco, incentivar e demonstrar alegria para essa mudança que representa nada mais que crescimento das crianças.


O que eu aprendi no primeiro dia de aula
EU APRENDI
que a melhor sala de aula do mundo
está aos pés de uma pessoa mais velha;

EU APRENDI
que ser gentil é mais importante do que estar certo;

EU APRENDI
que eu sempre posso fazer uma prece por alguém
quando não tenho a força para
ajudá-lo de alguma outra forma;
EU APRENDI
que não importa quanta seriedade a vida exija de você,
cada um de nós precisa de um amigo
brincalhão para se divertir junto;

EU APRENDI
que algumas vezes tudo o que precisamos
é de uma mão para segurar
e um coração para nos entender;

EU APRENDI
que deveríamos ser gratos a Deus
por não nos dar tudo que lhe pedimos;

EU APRENDI
que dinheiro não compra "classe";

EU APRENDI
que são os pequenos acontecimentos
diários que tornam a vida espetacular;

EU APRENDI
que debaixo da "casca grossa" existe uma pessoa
que deseja ser apreciada,
compreendida e amada;

EU APRENDI
que Deus não fez tudo num só dia;
o que me faz pensar que eu possa?

EU APRENDI
que ignorar os fatos não os altera;

EU APRENDI
que o AMOR, e não o TEMPO,
é que cura todas as feridas;

EU APRENDI
que cada pessoa que a gente conhece
deve ser saudada com um sorriso;

EU APRENDI
que ninguém é perfeito
até que você se apaixone por essa pessoa;

EU APRENDI
que a vida é dura, mas eu sou mais ainda;

EU APRENDI
que as oportunidades nunca são perdidas;
alguém vai aproveitar as que você perdeu.

EU APRENDI
que quando o ancoradouro se torna amargo
a felicidade vai aportar em outro lugar;

EU APRENDI
que devemos sempre ter palavras doces e gentis
pois amanhã talvez tenhamos que engolí-las;

EU APRENDI
que um sorriso é a maneira mais barata
de melhorar sua aparência;

EU APRENDI
que todos querem viver no topo da montanha,
mas toda felicidade e crescimento
ocorre quando você esta escalando-a;

EU APRENDI
Que quanto menos tempo tenho,
mais coisas consigo fazer.

William Shakespeare

Ser Pedagogo

Ser Pedagogo não é apenas ser Professora, Mestre, Tia, Coordenadora, Supervisora, Orientadora, Dona de escola.
É mais do que isso.
É ser Responsável.
Ser Pedagogo é ter coragem de enfrentar uma sociedade deturpada, equivocada sem valores morais nem princípios.
Ser Pedagogo é ser valente, pois sabemos das dificuldades que temos em nossa profissão em nosso dia a dia.
Ser Pedagogo é saber conhecer seu caminho, sua meta, e saber atingir seus objetivos.
Ser Pedagogo é saber lidar com o diferente, sem preconceitos, sem distinção de cor, raça, sexo ou religião.
Ser Pedagogo é ter uma responsabilidade muito grande
nas mãos.
Talvez até mesmo o futuro...
Nas mãos de um Pedagogo concentra- se o futuro de muitos médicos, dentistas, farmacêuticos, engenheiros, advogados, jornalistas, publicitários ou qualquer outra profissão...
Ser Pedagogo é ser responsável pela vida, pelo caminho de cada um destes profissionais que hoje na faculdade e na sociedade nem se quer lembram que um dia passaram pelas mãos de um Pedagogo.
Ser Pedagogo é ser mais que profissional, é ser alguém que acredita na sociedade, no mundo, na vida.
Ser Pedagogo não é fácil, requer dedicação, confiança e perseverança.
Hoje em dia ser Pedagogo em uma sociedade tão competitiva e consumista não torna-se uma profissão muito atraente, e realmente não é.
Pois os valores, as crenças, os princípios, os desejos estão aquém do intelecto humano.
Hoje a sociedade globalizada está muito voltada para a vida materialista.
As pessoas perderam- se no caminho da dignidade e optaram pelo atalho da competitividade, é triste pensar assim, muito triste pois este é o mundo dos nossos filhos, crianças que irão crescer e tornar- se adultos.
Adultos em um mundo muito poluído de idéias e sentimentos sem razão.
Adultos que não sabem o que realmente são.
Alienados, com interesses voltados apenas pelo Ter e não pelo Ser.

Ser Pedagogo é ter a missão de mudar não uma Educação retorcida, mas ser capaz de transformar a sociedade que ainda está por vir.
Pode ser ideologia pensar assim, mas como Pedagogos temos a capacidade de plantar hoje nesta sociedade tão carente de valores, sementes que um dia irão florescer.
E quem sabe essa mesma sociedade que hoje é tão infértil possa colher os frutos que só a Pedagogia pode dar.