terça-feira, 4 de janeiro de 2011

1° Post da série: Escola - Qual a idade ideal para começar a frequentar a escola?

 
Muitos pais questionam a idade ideal para o filho entrar na escola. São diversas aflições, um mundo desconhecido e cheio de novidades para, tantos os pais como os filhos, enfrentarem.

A resposta para essa pergunta divide opiniões. Se perguntarmos para 10 mães, poderão surgir 10 respostas diferentes.
Não existem regras quanto à idade ideal para o ingresso na escola. Os pais precisam se conscientizar que a criança, mesmo muito pequena, precisa se socializar e se desenvolver.
Quando acaba a licença maternidade da mamãe, muitas vezes, ela precisa procurar um local adequado para deixar o bebê enquanto ela trabalha.
A separação, apesar de necessária, é um processo doloroso tanto para a criança quanto para a mãe, mas é superado em pouco tempo.
Algumas famílias optam pela avó ou contratam babás, mas as famílias que não têm esses meios precisam recorrer aos berçários ou creches.
Não é ruim para o bebê frequentar o berçário, pelo contrário, a rotina no berçário estimula o seu desenvolvimento Motor, Físico e Psicológico. Claro que para isso o local deverá contar com profissionais qualificados em um ambiente adequado e saudável.
Para o bebê se adaptar no berçário, no primeiro dia, deixe que permaneça por uma hora, fique por perto observando a rotina, o ambiente e vá aumentando o tempo de permanência da criança progressivamente no segundo, terceiro dia e assim por diante até a criança ficar o período normal sem a sua presença.

A família que conta com o apoio da avó e/ou babá, não deve dispensar a Escola para criança. A Escola de Educação Infantil não serve apenas de local para a criança passar o tempo e muito menos espaço para serem cuidadas.
A criança deve aprender a conviver em sociedade, desenvolvendo conceitos e princípios morais.
Ela precisa brincar, conversar, trocar experiências e aos poucos dominar o egocentrismo natural infantil para aprender a dividir.
É por meio da Escola que a criança terá o contato com a realidade e sociedade. Todos os dias terá que dividir o mesmo espaço com muitas crianças, a atenção da professora, realizar refeições em grupo, ou seja, não será tudo para ela sozinha. Aprenderá a dividir com o coleguinha que se senta ao seu lado, aprende a dividir o lanche, o brinquedo, o lápis de cor. A afetividade criada entre professores e alunos, as brincadeiras, as histórias, as novidades.
O aprendizado em si, gera muita satisfação e alegria para as crianças, e esse lado emocional estimulado pela convivência na escola é fundamental para o seu crescimento.
É natural da criança de 2 anos o egocentrismo, a criança é egocêntrica nas representações mentais, desenvolvendo a percepção centrada, sem considerar o ponto de vista do outro. É a terrível fase do: É meu, é meu!
As crianças gradualmente aprendem sobre a existência de padrões de comportamento - ações que podem ou devem ser feitas, e ações que não devem ser feitas.
Essas experiências não podem ser substituídas ou anuladas, qualquer negligência nessa fase acarretará danos irreparáveis que seguirão até a idade adulta.
Se a partir dos 2 anos de idade não for trabalhado o seu egocentrismo em um ambiente social como a Escola, a tendência é se tornar um adulto egocêntrico.
Quem gosta de um adulto assim?
- É meu, é meu!

Os pais querem o melhor para seus filhos, desejam protegê-los de qualquer coisa que possa lhe trazer prejuízos, portanto pensar na Escola como base para sua Educação e Futuro, não me refiro ao futuro para passar no Vestibular e ter bom emprego, mas futuro para ser feliz, bem resolvido consigo mesmo, com capacidade de enfrentar e solucionar problemas. Proporcionar à criança desde cedo um ambiente saudável e socializado é o melhor a ser feito para que se torne um adulto sensato.

A idade ideal para o seu filho frequentar a escola não é definida, depende das necessidades e ideais da família.
Porém a criança precisa conviver com outras pessoas em um ambiente estimulador ao seu crescimento.

Minha opinião é que o ideal seria a criança a partir de 2 anos frequentar a Escola, dividir o seu dia em dois períodos, um na escola (aprendendo e socializando), outro em casa (com a vó ou a mãe, tendo a hora da soneca e rotina diária).
A criança precisa entender que a Escola é um local de alegria e que está lá porque os pais estão fazendo o melhor e com muito Amor. Se os pais demonstrarem ao filho que está na escola por não haver outra alternativa, outra pessoa, sendo apenas um local para ficar enquanto os pais trabalham, a criança pode associar a escola à um lugar para passar o tempo e não terá interesse, trazendo prejuízos ao desempenho escolar no futuro.


Vai começar a série - Volta às Aulas

Assunto que sempre gera ansiedade nas crianças, nos pais, nos professores e na escola.
São muitas responsabilidades e anseios que tomam conta esse dia.
Dentro desse tema, abordaremos as seguintes questões:

- Qual a idade ideal para começar a frequentar a escola?


- O que o bebê faz no berçário?


- Creche - Critérios de atendimento.


- Educação Infantil - Política Nacional e Indicadores de qualidade.


- Como preparar a criança para o seu primeiro dia de aula?


- Como os pais devem agir no primeiro dia de aula de seus filhos?

- Mudança de escola

- Deveres do Educador - Funções dos Professores de Creche, Educação Infantil e Ensino Fundamental I

- Deveres dos Pais em relação à Educação Formal dos filhos


- Como manter uma relação saudável com o Professor de seu filho?


- Como poupar dinheiro na volta às aulas?

- Linhas Pedagógicas

- Escola Confessional


- Escola bilíngue


- Educação Inclusiva


- Projeto Político Pedagógico

- Alfabetização e Letramento

- O que os Pais devem observar cuidadosamente na Escola?

- Cursos extracurriculares

- Ensino Público

- Conhecendo as características da idade do seu filho
 01 à 11 anos

Esse mês será dedicado à Escola, portanto, aceito sugestões, comentários, troca de experiências, etc.


Ainda Hoje - - Qual a idade ideal para começar a frequentar a escola?



Até mais!

Ser Pedagogo

Ser Pedagogo não é apenas ser Professora, Mestre, Tia, Coordenadora, Supervisora, Orientadora, Dona de escola.
É mais do que isso.
É ser Responsável.
Ser Pedagogo é ter coragem de enfrentar uma sociedade deturpada, equivocada sem valores morais nem princípios.
Ser Pedagogo é ser valente, pois sabemos das dificuldades que temos em nossa profissão em nosso dia a dia.
Ser Pedagogo é saber conhecer seu caminho, sua meta, e saber atingir seus objetivos.
Ser Pedagogo é saber lidar com o diferente, sem preconceitos, sem distinção de cor, raça, sexo ou religião.
Ser Pedagogo é ter uma responsabilidade muito grande
nas mãos.
Talvez até mesmo o futuro...
Nas mãos de um Pedagogo concentra- se o futuro de muitos médicos, dentistas, farmacêuticos, engenheiros, advogados, jornalistas, publicitários ou qualquer outra profissão...
Ser Pedagogo é ser responsável pela vida, pelo caminho de cada um destes profissionais que hoje na faculdade e na sociedade nem se quer lembram que um dia passaram pelas mãos de um Pedagogo.
Ser Pedagogo é ser mais que profissional, é ser alguém que acredita na sociedade, no mundo, na vida.
Ser Pedagogo não é fácil, requer dedicação, confiança e perseverança.
Hoje em dia ser Pedagogo em uma sociedade tão competitiva e consumista não torna-se uma profissão muito atraente, e realmente não é.
Pois os valores, as crenças, os princípios, os desejos estão aquém do intelecto humano.
Hoje a sociedade globalizada está muito voltada para a vida materialista.
As pessoas perderam- se no caminho da dignidade e optaram pelo atalho da competitividade, é triste pensar assim, muito triste pois este é o mundo dos nossos filhos, crianças que irão crescer e tornar- se adultos.
Adultos em um mundo muito poluído de idéias e sentimentos sem razão.
Adultos que não sabem o que realmente são.
Alienados, com interesses voltados apenas pelo Ter e não pelo Ser.

Ser Pedagogo é ter a missão de mudar não uma Educação retorcida, mas ser capaz de transformar a sociedade que ainda está por vir.
Pode ser ideologia pensar assim, mas como Pedagogos temos a capacidade de plantar hoje nesta sociedade tão carente de valores, sementes que um dia irão florescer.
E quem sabe essa mesma sociedade que hoje é tão infértil possa colher os frutos que só a Pedagogia pode dar.