quarta-feira, 8 de setembro de 2010

8 de Setembro - Dia Mundial da Alfabetização

No dia oito de setembro comemora-se o dia mundial da alfabetização, data criada pela ONU (Organização das Nações Unidas), através da UNESCO.


A UNESCO foi criada em 1945 e significa Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, mas sua sigla é de origem americana: United Nations Educational, Scientific and Cultural Organization.

O órgão foi criado para tentar reduzir os índices de analfabetismo em todo o mundo, desenvolvendo vários projetos sociais nesse sentido, como o financiamento da formação de professores, a criação de escolas, oferecendo recursos para pesquisas, o desenvolvimento dos meios de comunicação e a proteção de patrimônios culturais.

Alfabetização é o processo que orienta uma pessoa a identificar códigos alfabéticos escritos, que formam palavras, tornando-a um leitor.

Saber ler e escrever é importante para um cidadão, pois esse deixa de ser dependente dos outros, passa a entender o mundo que o cerca de forma mais ampla.

As pessoas que não sabem ler e escrever, que aprenderam, mas perderam o conhecimento ou as que só conseguem assinar o próprio nome são consideradas analfabetas.

Alfabetização é geralmente entendida apenas como processo de ensinar e aprender as relações fonema e grafema, ou seja, a compreensão da natureza alfabética da língua. Entendo a alfabetização como uma ação de "alfabetizar letrando", portanto é preciso disponibilizar e abrir espaço para a leitura e escrita na sala de aula, a alfabetização precisa ser um instrumento de inserção no mundo marcado pela cultura escrita onde vivem as crianças. A questão é perceber a ação de alfabetizar letrando, não como mais um “modismo” em educação, mas como a possibilidade de ser usuário das práticas sociais de leitura e escrita.

Segundo informações do censo do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), realizado em 2000, 13% da população do Brasil, acima de dez anos de idade, é analfabeta absoluta. Isso é ruim, pois o grau de desenvolvimento de uma nação é avaliado pelo número de pessoas analfabetas que possui.

Além desses, existem ainda os analfabetos funcionais, aqueles com mais de quinze anos de idade, que não passaram por um período maior que quatro anos na escola. Não são totalmente analfabetos, mas não desenvolveram a capacidade de compreender textos. Em nosso país, esses somam mais de trinta milhões.

No âmbito mundial, 25% de adultos e jovens ainda não sabem ler e escrever, chegando ao número alarmante de 900 milhões de analfabetos.
Ainda hoje volto com dicas para ajudar o seu filho nessa fase.
Fonte:
Mundo Educação
Baú de idéias

A Primavera está aí!



Sempre acreditei que a Primavera deixa as pessoas mais sensíveis. O amor aparece mais, energias são revigoradas e a esperança se retoma.

A primavera é uma das quatro estações do ano. Ela ocorre após o inverno e antes do verão. No hemisfério sul, onde está localizado o Brasil, a primavera tem início em 23 de setembro e termina no dia 21 de dezembro.


É um período em que a natureza fica bela, presenteando o ser humano com flores coloridas e perfumadas. A função deste florescimento é o início da época de reprodução de muitas espécies de árvores e plantas.

Cuidar das flores é muito importante para a natureza, pois as flores não foram feitas só para enfeitar, elas tem o seu verdadeiro valor, algumas servem de base para a manipulação de medicamentos e cosméticos, outras são usadas para a fabricação de perfumes. Enfim as plantas assim como as flores também têm a sua função na flora e na fauna. Alguns animais precisam das plantas para poder se alimentar como é o caso do beija-flor que além de beber o néctar das flores também poliniza por onde passa.
Cuidar das flores é, antes de tudo, uma forma de exercitar o amor. Não só o amor à natureza, mas o amor à si próprio.


Primavera


Cecília Meireles

A primavera chegará, mesmo que ninguém mais saiba seu nome, nem acredite no calendário, nem possua jardim para recebê-la. A inclinação do sol vai marcando outras sombras; e os habitantes da mata, essas criaturas naturais que ainda circulam pelo ar e pelo chão, começam a preparar sua vida para a primavera que chega.
Finos clarins que não ouvimos devem soar por dentro da terra, nesse mundo confidencial das raízes, — e arautos sutis acordarão as cores e os perfumes e a alegria de nascer, no espírito das flores.
Há bosques de rododendros que eram verdes e já estão todos cor-de-rosa, como os palácios de Jeipur. Vozes novas de passarinhos começam a ensaiar as árias tradicionais de sua nação. Pequenas borboletas brancas e amarelas apressam-se pelos ares, — e certamente conversam: mas tão baixinho que não se entende.
Oh! Primaveras distantes, depois do branco e deserto inverno, quando as amendoeiras inauguram suas flores, alegremente, e todos os olhos procuram pelo céu o primeiro raio de sol.
Esta é uma primavera diferente, com as matas intactas, as árvores cobertas de folhas, — e só os poetas, entre os humanos, sabem que uma Deusa chega, coroada de flores, com vestidos bordados de flores, com os braços carregados de flores, e vem dançar neste mundo cálido, de incessante luz.
Mas é certo que a primavera chega. É certo que a vida não se esquece, e a terra maternalmente se enfeita para as festas da sua perpetuação.
Algum dia, talvez, nada mais vai ser assim. Algum dia, talvez, os homens terão a primavera que desejarem, no momento que quiserem, independentes deste ritmo, desta ordem, deste movimento do céu. E os pássaros serão outros, com outros cantos e outros hábitos, — e os ouvidos que por acaso os ouvirem não terão nada mais com tudo aquilo que, outrora se entendeu e amou.
Enquanto há primavera, esta primavera natural, prestemos atenção ao sussurro dos passarinhos novos, que dão beijinhos para o ar azul. Escutemos estas vozes que andam nas árvores, caminhemos por estas estradas que ainda conservam seus sentimentos antigos: lentamente estão sendo tecidos os manacás roxos e brancos; e a eufórbia se vai tornando pulquérrima, em cada coroa vermelha que desdobra. Os casulos brancos das gardênias ainda estão sendo enrolados em redor do perfume. E flores agrestes acordam com suas roupas de chita multicor.
Tudo isto para brilhar um instante, apenas, para ser lançado ao vento, — por fidelidade à obscura semente, ao que vem, na rotação da eternidade. Saudemos a primavera, dona da vida — e efêmera.

Texto extraído do livro "Cecília Meireles - Obra em Prosa - Volume 1", Editora Nova Fronteira - Rio de Janeiro, 1998, pág. 366.

As flores são o que tem de melhor para surpreender e emocionar pessoas, acurando sentimentos e estreitando relações interpessoais no âmbito pessoal, familiar, social, comercial e profissional.



Logo logo dicas para aproveitar essa estação tão gostosa!!

Ser Pedagogo

Ser Pedagogo não é apenas ser Professora, Mestre, Tia, Coordenadora, Supervisora, Orientadora, Dona de escola.
É mais do que isso.
É ser Responsável.
Ser Pedagogo é ter coragem de enfrentar uma sociedade deturpada, equivocada sem valores morais nem princípios.
Ser Pedagogo é ser valente, pois sabemos das dificuldades que temos em nossa profissão em nosso dia a dia.
Ser Pedagogo é saber conhecer seu caminho, sua meta, e saber atingir seus objetivos.
Ser Pedagogo é saber lidar com o diferente, sem preconceitos, sem distinção de cor, raça, sexo ou religião.
Ser Pedagogo é ter uma responsabilidade muito grande
nas mãos.
Talvez até mesmo o futuro...
Nas mãos de um Pedagogo concentra- se o futuro de muitos médicos, dentistas, farmacêuticos, engenheiros, advogados, jornalistas, publicitários ou qualquer outra profissão...
Ser Pedagogo é ser responsável pela vida, pelo caminho de cada um destes profissionais que hoje na faculdade e na sociedade nem se quer lembram que um dia passaram pelas mãos de um Pedagogo.
Ser Pedagogo é ser mais que profissional, é ser alguém que acredita na sociedade, no mundo, na vida.
Ser Pedagogo não é fácil, requer dedicação, confiança e perseverança.
Hoje em dia ser Pedagogo em uma sociedade tão competitiva e consumista não torna-se uma profissão muito atraente, e realmente não é.
Pois os valores, as crenças, os princípios, os desejos estão aquém do intelecto humano.
Hoje a sociedade globalizada está muito voltada para a vida materialista.
As pessoas perderam- se no caminho da dignidade e optaram pelo atalho da competitividade, é triste pensar assim, muito triste pois este é o mundo dos nossos filhos, crianças que irão crescer e tornar- se adultos.
Adultos em um mundo muito poluído de idéias e sentimentos sem razão.
Adultos que não sabem o que realmente são.
Alienados, com interesses voltados apenas pelo Ter e não pelo Ser.

Ser Pedagogo é ter a missão de mudar não uma Educação retorcida, mas ser capaz de transformar a sociedade que ainda está por vir.
Pode ser ideologia pensar assim, mas como Pedagogos temos a capacidade de plantar hoje nesta sociedade tão carente de valores, sementes que um dia irão florescer.
E quem sabe essa mesma sociedade que hoje é tão infértil possa colher os frutos que só a Pedagogia pode dar.