quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Escolas Alternativas



A criança acorda, veste o uniforme, vai para escola, assuntos e matérias de anos atrás são colocados em sua cabeça, não importa como, tem que entrar na cabeça.
A professora não deixa o aluno questionar, porque quem manda na sala de aula é ela. Detém todo o conhecimento e ele está lá para obedecer.
Cópias, desenhos prontos, colagens, moldes, etc. não há espaço para criação de textos, desenvolvimento artístico, exploração, sensações, etc.
Mas isso é primordial, afinal o que é importante para a criança é que ela cresça, tenha as melhores notas na escola, entre na melhor universidade e consiga um ótimo emprego. Não importa como serão tratados nesse emprego, se os superiores terão respeito pelos anos gastos em cursos, o horário não permitirá o equilíbrio emocional, familiar e social que todos os seres humanos precisam.
O que realmente importa é trabalhar em uma empresa de nome, de preferência uma multinacional, onde tenha que baixar sempre a cabeça se quiser ser reconhecido, caso não for, é assim para todo mundo, então tem que engolir. Pois o cargo que ele merecia, foi dado ao filho do sobrinho do chefe. Empresas, é sempre assim, quem indica, tem que ter QI.

Se não quiser engolir, precisa ser esperto.

Como assim esperto?

Esperto ué!

Ficar de olho porque ninguém na empresa é amigo, tudo é uma troca de interesses, quando algum funcionário cometer um erro, mostre o erro para o chefe e se for mais esperto ainda, faça de tudo para que o seu erro seja culpa dele.

Anos de escola para isso?

Aceitamos isso?

A meu ver isso não é Educação, onde estão os valores?

Educar é muito mais do que preparar alunos para provas, exames, decorar tabuadas. Educar é ajudar as crianças a entender o mundo, a realizarem-se como pessoas, muito para além do tempo da escolarização.
Estive lendo alguns artigos e gostei muito da proposta de Escolas Alternativas.
As escolas não dão resposta à individualização que cada criança precisa, especialmente em tenra idade. Os valores familiares estão se perdendo, o respeito pela sociedade e natureza está acabando. Vemos cada vez mais casos de crianças e adolescentes perdidos e entregues a escolas com métodos pedagógicos antiquados e não adequados ao desenvolvimento harmonioso e integral da criança.
85% de nossa personalidade é formada na infância, se prepararmos essas crianças para serem melhores cidadãos, a transformação do mundo será muito grande.
Na Pedagogia Neo Humanista, a filosofia da educação reconhece, sobretudo, a importância da aprendizagem do respeito e do amor. O Neo-Humanismo expande a filosofia implícita no humanismo para abranger com amor toda a criação e compreender a inter-relação de todas as coisas.
As crianças são estimuladas para que aprofundem e estendam sua preocupação não somente para o bem estar dos seres humanos, mas também para de outros seres vivos, por exemplo, as plantas e os animais. As crianças vêem o universo como um todo integrado com todos os fenômenos correlacionados e interdependentes.

O neo-humanismo, que prioriza o desenvolvimento emocional, intuitivo, criativo e espiritual. É uma linha de pedagogia parecida com a das escolas Waldorf, que fazem sucesso no mundo todo. Segundo essa filosofia, não basta aprender português, matemática etc. O desafio é formar pessoas bacanas.

Conheça a história da pedagogia neo humanista aqui
 
Educação para a Paz - A Pedagogia Waldorf


"O nosso verdadeiro papel, como educadores, é o de remover dificuldades. Cada criança traz das regiões divinas algo de novo para o mundo, e é nossa tarefa como educadores a remoção dos obstáculos físicos e psíquicos do seu caminho, de forma a permitir que seu espírito penetre a vida em total liberdade." Rudolf Steiner

A Pedagogia Waldorf é fundamental para redirecionar a educação e a relação humana no mundo atual. As crianças que recebem educação através da Pedagogia Waldorf valorizam mais sua relação com o meio no mundo atual, aprendem a valorizar as relações humanas, cultivam o respeito ao próximo e a natureza.
A base da Pedagogia Waldorf é conceber ao homem a harmonia físico-anímico-espiritual na prática educativa, partindo da visão antropológica, fazendo com que esta educação responda às necessidades atuais e futuras do homem.
O ser humano deve buscar a resposta que seu interior é capaz de realizar, pois todos nasceram com predisposições e capacidades que ao longo do tempo se desenvolverão.
Envolver a criança com narração de contos e histórias, aproximando-a da natureza, mostrando como partir de exemplos do dia-a-dia para explicar os conceitos abstratos, transformando as aulas, dessa forma, em vivências ricas e profundas.
Cabe a um professor Waldorf trazer o mundo para a sala de aula. Para isso, ele deve ser um artista e todo o ensino uma obra de arte.
Nas escolas Waldorf, o ensino artístico é muito valorizado como mediador entre a atividade pensante e a atividade física, pois através da arte o sentimento flui como elemento regenerador e harmonizador.
Desse modo, nas escolas Waldorf, as aulas de música, canto, pintura, poemas e arte do movimento, encontram lugar de destaque.
Nas aulas de trabalhos manuais, as crianças aprendem a tecer, tricotar, costurar, modelar e a trabalhar com madeira, esculpindo, forjando, criando e reconhecendo nesses trabalhos as conquistas da humanidade ao longo de sua história. É também uma forma de se ter contato com a matéria, além de ser estimulado o ritmo, a vontade e o respeito pelos trabalhos manuais.
Outra particularidade das escolas Waldorf, é que não se utilizam livros didáticos, deixando que os alunos construam seus próprios livros, anotando e desenhando nos seus cadernos, nascendo a vida, criatividade e individualidade ao seu próprio material didático.
As notas também não fazem parte da Pedagogia Waldorf, por não representarem a criança. O professor Waldorf acompanha lecionando na mesma classe por oito anos seguidos, o que lhe permite conhecer profundamente cada aluno e apoiá-lo nos seus talentos e dificuldades.

Pedagogia Waldorf e escolas Waldorf clique aqui


Em Portugal existem escolas alternativas e vegetarianas, alternativas ao sistema Pedagógico Tradicional.
Uma delas é a Escola Vela Verde, alimentação vegetariana.

Claro que, particularmente, não deixo de lado alguns itens da Pedagogia Tradional. O meu pensamento como Educadora é de uma Educação libertadora, que transforme a sociedade (ou a realidade social).
Essa transformação como construção de conhecimento de sua própria realidade, da necessidade de organização e, fundamentalmente, da construção de uma consciência de classe.


Educação como um meio e não como um fim.

Ser Pedagogo

Ser Pedagogo não é apenas ser Professora, Mestre, Tia, Coordenadora, Supervisora, Orientadora, Dona de escola.
É mais do que isso.
É ser Responsável.
Ser Pedagogo é ter coragem de enfrentar uma sociedade deturpada, equivocada sem valores morais nem princípios.
Ser Pedagogo é ser valente, pois sabemos das dificuldades que temos em nossa profissão em nosso dia a dia.
Ser Pedagogo é saber conhecer seu caminho, sua meta, e saber atingir seus objetivos.
Ser Pedagogo é saber lidar com o diferente, sem preconceitos, sem distinção de cor, raça, sexo ou religião.
Ser Pedagogo é ter uma responsabilidade muito grande
nas mãos.
Talvez até mesmo o futuro...
Nas mãos de um Pedagogo concentra- se o futuro de muitos médicos, dentistas, farmacêuticos, engenheiros, advogados, jornalistas, publicitários ou qualquer outra profissão...
Ser Pedagogo é ser responsável pela vida, pelo caminho de cada um destes profissionais que hoje na faculdade e na sociedade nem se quer lembram que um dia passaram pelas mãos de um Pedagogo.
Ser Pedagogo é ser mais que profissional, é ser alguém que acredita na sociedade, no mundo, na vida.
Ser Pedagogo não é fácil, requer dedicação, confiança e perseverança.
Hoje em dia ser Pedagogo em uma sociedade tão competitiva e consumista não torna-se uma profissão muito atraente, e realmente não é.
Pois os valores, as crenças, os princípios, os desejos estão aquém do intelecto humano.
Hoje a sociedade globalizada está muito voltada para a vida materialista.
As pessoas perderam- se no caminho da dignidade e optaram pelo atalho da competitividade, é triste pensar assim, muito triste pois este é o mundo dos nossos filhos, crianças que irão crescer e tornar- se adultos.
Adultos em um mundo muito poluído de idéias e sentimentos sem razão.
Adultos que não sabem o que realmente são.
Alienados, com interesses voltados apenas pelo Ter e não pelo Ser.

Ser Pedagogo é ter a missão de mudar não uma Educação retorcida, mas ser capaz de transformar a sociedade que ainda está por vir.
Pode ser ideologia pensar assim, mas como Pedagogos temos a capacidade de plantar hoje nesta sociedade tão carente de valores, sementes que um dia irão florescer.
E quem sabe essa mesma sociedade que hoje é tão infértil possa colher os frutos que só a Pedagogia pode dar.