domingo, 29 de agosto de 2010

Pré Adolescentes! Preocupação com Meninas X Padrões X Mídia

Hoje presenciei uma cena que me fez refletir.

Uma menina de apenas 9 anos estava muito preocupada porque não tinha biquinis novos para ir à praia no próximo feriado.
Dizia que os seus biquinis eram do ano passado e todos iriam falar mal.
A princípio achei meio que "normal", pois nessa idade a menina fica super vaidosa, tem a MÍDIA impondo seus valores, etc.
Mas depois ela disse que estava gorda para biquini, precisava emagrecer.

Uma menina de nove anos se achando gorda?
Em que mundo vivemos?
Quando eu tinha 9 anos a única coisa que eu me preocupava era a farra da praia, biquini ficava em segundo lugar, muitas vezes nem lembrava, o que importava era a diversão. Talvez até hoje eu pense assim, rsrs.
Percebo as pesquisas sobre o número de jovens que mostram uma preocupação doentia sobre a imagem corporal e isso aumenta durante os meses de verão. É cada vez mais comum as meninas começar a ter preocupações com seus corpos. Meninas tão jovens com 8 ou 9 anos falam sobre seus corpos, se preocupam com seu peso e forma.

Quando o verão chega, as pessoas começam a perder camadas de roupas, a atenção fica toda voltada para o corpo. Jovens meninas estão aprendendo e baseia todo o seu valor em seu corpo e beleza.
Somos constantemente bombardeados com visões de mulheres bonitas em outdoors, na televisão e em revistas. As meninas estão começando a acreditar que devem ser magras e bonitas para ser feliz.
Esta é a forma como a sociedade socializa o seu pensamento. Na sociedade de hoje, quem é magro, bonito e belo, é comparado com os melhores.
Meninas de 8 à 10 anos são mais propensas a desenvolver uma imagem corporal magra acreditando ser a melhor, por meio de uma influência negativa . A influência poderá vir dos amigos ou da família. Comentários simples podem começar a mudar os pensamentos das meninas sobre os seus corpos.
Quando a criança vai à praia ou piscina, pensa apenas em brincar e se divertir. Um comentário negativo feito em relação ao seu corpo tira totalmente o foco da diversão. A criança pensa que só poderá retornar a essas atividades, quando estiver dentro do padrão imposto.

Outras pessoas podem passar a imagem que a menina é gorda ou magra demais, é o que também acontece.
As preocupações com a forma e o tamanho do corpo, pode levar a doenças graves como bulimia e anorexia. As meninas dessa idade ainda não estão plenamente desenvolvidas, os distúrbios alimentares podem levar a sérios problemas médicos.
As maiorias das crianças recebe influências de casa. Estas meninas aprendem o que é importante a respeito de beleza, peso e imagem corporal com base em como essas qualidades são valorizadas pelos seus próprios pais.
Se não há exagero em nada, tais como a dieta, e não demasiada ênfase que é colocada sobre a beleza, a criança vai aprender que essas coisas são secundárias à pessoa que ela é ou está se tornando.
Estilo de vida saudável e incentivo positivo são os fatores mais importantes para manter uma criança saudável e feliz consigo mesma. Tirar o foco da beleza e mostrar o que realmente as tornam boas pessoas, irá mostrar que são valiosas, aceitas e amadas, independentemente de como se vêem.
Pré Adolescentes estão caminhando para a independência e as meninas são, especialmente, difíceis para os pais educarem devido à maneira como a mídia apresenta roupas, maquiagem e formas do corpo.

Piadas para Crianças

Livro: Piadas para rachar o Bico

Reúne tiradas, enigmas e absurdos. "Proibido para adultos", como destaca a capa, as crianças vão gargalhar com pequenas pérolas do humor.
Separadas em categorias, piadas sobre comida, animais, famílias, escola, profissões e perguntas e respostas compõem um rico arsenal para o leitor que pode se tornar um exímio humorista. E nada melhor do que provocar o riso nos outros.
Com brincadeiras sobre temas cotidianos, as piadas contadas na escola são das tiradas mais interessantes. É o professor que não deixa o aluno dormir, ou então o que não quer que ele descubra que vai colar na prova.
Leia algumas piadas.

Era dia de prova. Para evitar problemas, a professora deciciu dar um aviso para um aluno bagunceiro:
- Espero não pegar você colando na prova, rapaz.
- Eu espero a mesma coisa! - respondeu o menino.

*

Cliente: - Garçom! Você está com seu dedo no meu filé!
Garçom: - É que eu não queria que ele caísse no chão de novo.
*

Bebê cobra: - Mamãe, nossa espécie é venenosa?
Mamãe cobra: - É claro que sim! Por quê?
Bebê cobra: - Eu acabei de morder minha língua...

*

Filho: - Mãe, me dê um biscoito?
Mãe: - Você não acha que faltou alguma coisa, querido?
Filho: -Faltou o quê?
Mãe: - Aquela palavrinha mágica...
Filho: - Qual? Abracadabra?

*

O que um muro disse para o outro?
Encontro você na esquina!

*

O que tem 20 cabeças, mas não pensa?
Uma caixa de fósforos.
*

"Piadas para Rachar o Bico"

Autor: Vários Autores

Editora: Fundamento

Páginas: 56

 R$ 19,60


Compre o seu aqui

Cadê a Mamãe? Achou! Cadê a Mamãe? Achou!


Jogo do esconde-esconde

Uma brincadeira bem simples e que parece não ter importância, é extremamente benéfica para o crescimento cognitivo da criança.
O tradicional jogo de esconder coisas e depois encontrá-las, sejam rostos ou outros objetos, manterá o seu filho se divertindo durante um longo tempo. É também uma forma de estabelecer, precocemente, uma importante noção de ligação, ao introduzir simultaneamente, conceitos de coisas que desaparecem e reaparecem. Seu filho começará a entender que se não consegue ver uma coisa, que essa não existe.

Ao nascer, o bebê não percebe que ele e a mãe são duas pessoas diferentes. Ele a entende como uma extensão de seu corpo. Também não tem idéia de que as coisas permanecem no lugar quando ele não as vê. Essas noções começam a mudar por volta dos 7 meses, quando se inicia o processo de individualização. Nessa fase é comum a criança rejeitar o colo de outros ou pensar que a mãe deixou de existir se ela sai do seu campo de visão.
Essa “separação” deixa os bebês aflitos e inseguros, com medo de serem abandonados, um desenvolvimento psíquico que só se completará por volta dos 3 anos, coincidindo com a entrada na escola e o início da relação com os amigos.
O bebê a partir de 7 meses,  desenvolve a  noção de que as pessoas e os objetos continuam existindo mesmo quando saem do campo de visão. Para ajudar em seu desenvolvimento, basta brincar.

Como Brincar:

1 - Atraia a atenção do seu filho e depois esconda o seu rosto atrás das mãos ou de uma peça de roupa.

2 - Pergunte à criança para onde é que você foi - É importante para atrair  a sua curiosidade.

3 - Reapareça à criança com um toque dramático - a expressão «tcharan» resulta muito bem.

4 - Varie o intervalo de tempo em que está escondido, as expressões faciais e os sons produzidos, de forma

para manter o elemento de surpresa, o qual estimula a aprendizagem.


Fonte:
Arquivo pessoal
Revista Crescer

Ser Pedagogo

Ser Pedagogo não é apenas ser Professora, Mestre, Tia, Coordenadora, Supervisora, Orientadora, Dona de escola.
É mais do que isso.
É ser Responsável.
Ser Pedagogo é ter coragem de enfrentar uma sociedade deturpada, equivocada sem valores morais nem princípios.
Ser Pedagogo é ser valente, pois sabemos das dificuldades que temos em nossa profissão em nosso dia a dia.
Ser Pedagogo é saber conhecer seu caminho, sua meta, e saber atingir seus objetivos.
Ser Pedagogo é saber lidar com o diferente, sem preconceitos, sem distinção de cor, raça, sexo ou religião.
Ser Pedagogo é ter uma responsabilidade muito grande
nas mãos.
Talvez até mesmo o futuro...
Nas mãos de um Pedagogo concentra- se o futuro de muitos médicos, dentistas, farmacêuticos, engenheiros, advogados, jornalistas, publicitários ou qualquer outra profissão...
Ser Pedagogo é ser responsável pela vida, pelo caminho de cada um destes profissionais que hoje na faculdade e na sociedade nem se quer lembram que um dia passaram pelas mãos de um Pedagogo.
Ser Pedagogo é ser mais que profissional, é ser alguém que acredita na sociedade, no mundo, na vida.
Ser Pedagogo não é fácil, requer dedicação, confiança e perseverança.
Hoje em dia ser Pedagogo em uma sociedade tão competitiva e consumista não torna-se uma profissão muito atraente, e realmente não é.
Pois os valores, as crenças, os princípios, os desejos estão aquém do intelecto humano.
Hoje a sociedade globalizada está muito voltada para a vida materialista.
As pessoas perderam- se no caminho da dignidade e optaram pelo atalho da competitividade, é triste pensar assim, muito triste pois este é o mundo dos nossos filhos, crianças que irão crescer e tornar- se adultos.
Adultos em um mundo muito poluído de idéias e sentimentos sem razão.
Adultos que não sabem o que realmente são.
Alienados, com interesses voltados apenas pelo Ter e não pelo Ser.

Ser Pedagogo é ter a missão de mudar não uma Educação retorcida, mas ser capaz de transformar a sociedade que ainda está por vir.
Pode ser ideologia pensar assim, mas como Pedagogos temos a capacidade de plantar hoje nesta sociedade tão carente de valores, sementes que um dia irão florescer.
E quem sabe essa mesma sociedade que hoje é tão infértil possa colher os frutos que só a Pedagogia pode dar.